Beisebol (Regras, Termos e Curiosidades)

Beisebol-Hacchi

Não é tão difícil perceber que existem vários animes sobre beisebol, como Ace of Diamond, Major, One Outs, entre outros. E vários outros animes retratam o beisebol em algum episódio, mesmo o esporte não sendo o foco, pois o beisebol é o esporte mais popular no Japão.
Mas isso não é apenas no Japão, o beisebol é um esporte popular nos Estados Unidos, Canadá, Coreia do Sul, e na grande maioria dos países da América Central e na Venezuela.
É um esporte que movimenta bilhões e que tem adeptos no mundo inteiro, e vem crescendo no Brasil, principalmente graças ao acesso aos jogos da MLB (Major League Baseball), que são transmitidos pela ESPN.

Mas o beisebol tem algumas regras e termos que podem ser estranhas para quem assiste um anime.
Aqui estão listadas as regras e termos do esporte, assim como algumas curiosidades.


1. REGRAS E TERMOS

Basicamente, o objetivo é pontuar batendo com um bastão em uma bola lançada e depois correr pelas quatro bases do campo. Um jogador da equipe atacante pode parar em uma das bases e, depois, avançar com a ajuda da rebatida de um companheiro.

Primeiramente, segue as posições do beisebol:

posicoes-do-beisebol

Dugout é o banco de reservas onde ficam os jogadores e a comissão técnica.

Bullpen é o local de aquecimento dos arremessadores. Estes revezam entre si durante a temporada.

Strike é um arremesso dentro da zona imaginária correspondente aos joelhos e o ponto médio entre a cintura e os ombros do rebatedor, sendo que a bola tem que passar por cima da Home Plate. A zona de strike é definida pelo árbitro que fica atrás do receptor (catcher). Também é considerado um strike quando o arremesso é fora da zona de strike e o rebatedor tenta uma rebatida e a bola passa direto (swing no vazio). Quando a bola é rebatida para o território de Foul Ball, que é o campo que NÃO fica entre as duas linhas, também é considerado um strike, mas quando o rebatedor já sofreu dois strikes, essa regra não é aplicada, e neste caso, repete-se o arremesso. Mas quando o rebatedor utiliza um bunt e a bola vai para o território de Foul Ball também é considerado um strike, mesmo que já esteja com a contagem de dois strikes. E por fim, quando a bola resvala no bastão do rebatedor e vai parar na luva do receptor, também é considerado um strike. Para eliminar um rebatedor são necessários três strikes.

Strikeout é quando um rebatedor sofre três strikes. E assim, o rebatedor é eliminado.

Out é qualquer eliminação.

Ball é quando um arremesso é fora da zona de strike.

Flyball é uma rebatida onde a bola ganha altura mas não ganha distância, facilitando a defesa antes que ela toque o chão, eliminando assim o rebatedor.

Flyout é quando um jogador segura uma flyball, eliminando assim o rebatedor.

Tagout é quando um jogador da defesa encosta a bola num corredor, que não esteja em contato com uma base, e este é automaticamente eliminado.

Sacrifice Flies: O rebatedor é creditado com um Sacrifice Fly quando, com menos de dois eliminados, rebate uma bola alta para o Outfield e é eliminado por Flyout, permitindo que o corredor da terceira base saia desta (somente depois da bola tocar na luva do defensor) e corra até o Home Plate sem ser eliminado, anotando uma corrida para a equipe.

Bunt é uma rebatida estratégica utilizada para conseguir avançar uma base.

Bunt de sacrifício é quando o rebatedor utiliza o bunt para fazer um corredor já em base avançar mais uma base. Normalmente, o rebatedor é eliminado pelo primeira base, mas algumas vezes, ele consegue chegar à primeira e o seu companheiro de equipe consegue avançar uma base.

Push Bunt é um bunt de sacrifício onde a bola é rebatida para o campo interno esquerdo rente à linha que separa o campo interno e o território de Foul Ball, próximo à terceira base.

Bola longa é uma rebatida válida que vai a uma boa distância, fazendo com que o rebatedor possa avançar duas ou três bases.

Corredores são todos os rebatedores que chegam em base.

Montinho ou monte é o local onde o arremessador (pitcher) se estabelece.

Salvo (Safe) é quando um corredor ou um rebatedor chega em base antes de ser eliminado. Neste caso, ele é eliminado se um defensor receber a bola e pisar sobre a base antes do corredor ou rebatedor.

Corrida é quando um jogador consegue chegar até a Home Plate. Caso um jogador chegue até a Home Plate e outro jogador seja eliminado em outra base, e este jogador for o terceiro eliminado numa mesma entrada, a corrida não é computada.

Windup é o movimento feito pelo arremessador antes de um arremesso.

Entrada (inning) é o um período de ataque e defesa dos dois times. Uma entrada só termina quando três rebatedores de cada time são eliminados. Um jogo oficial de beisebol possui nove entradas. A parte alta da entrada é quando o time visitante rebate. A parte baixa é quando o time mandante rebate.

Earned Runs Average ou Média de Corridas Merecidas (ERA): É uma média entre o número de corridas cedidas e o número de entradas arremessadas pelo pitcher. Quanto menor o ERA, melhor para o pitcher. O cálculo do ERA é simples: corridas cedidas/entradas arremessadas x 9. Por exemplo: Em 2008, Roy Halladay arremessou 246 entradas e cedeu 76 corridas merecidas, logo seu ERA foi de 2.78 (76/246 x 9 = 2.78). Ou seja, quanto menor o ERA, melhor para o pitcher.

Unearned Runs ou Corrida Não Merecida (UR): É considerada Unearned Run uma corrida anotada pelo adversário que seja fruto de um erro defensivo e que se o mesmo não tivesse ocorrido, ela não seria possível. Neste caso, a corrida não é contabilizada no ERA do pitcher.

Ás (Ace): o melhor arremessador de um time.

Starter é o pitcher que começa o jogo.

Reliever é o pitcher reserva e que entra no decorrer do jogo. Em geral, podem ser divididos em algumas categorias:
– Long Reliever: quando um starter começa mal um jogo ou se machuca e precisa sair cedo do jogo, o long reliever entra em ação. Espera-se desse jogador que ele faça um papel de quase starter, arremessando em torno de três a quatro entradas.
– Left-Handed Specialist ou Especialista Canhoto: reliever utilizado para eliminar rebatedores canhotos, já que estes têm grande dificuldade contra pitchers que arremessam com a mão esquerda. Em geral, este tipo de pitcher não joga muito, entrando nos jogos para conseguir apenas uma eliminação.
– Setup: reliever encarregado de arremessar a 8ª entrada de um jogo, em geral que esteja equilibrado ou com seu time na vantagem. Espera-se que ele impeça o adversário de anotar qualquer corrida e mantenha seu time em boa posição no jogo, para que na última entrada o closer faça seu trabalho.
– Closer ou Fechador: na maioria das vezes, é o melhor pitcher que de um bullpen. Entra na última entrada do jogo e espera-se que garanta a vitória do time. Jogador responsável pelos “Saves”.

Batting Average ou Aproveitamento no Bastão (AVG): Porcentagem de quantas rebatidas o jogador conseguiu realizar. O cálculo do Average é simples, basta dividir o número de Hits pelo número de aparições no bastão. Por exemplo: em 2008, Ichiro Suzuki conseguiu 213 rebatidas em 686 aparições no bastão, logo seu Aproveitamento foi de 31% (213/686 = .310). Se ele conseguiu 213 rebatidas em 686 aparições no bastão, então ele foi eliminado em 473 oportunidades. Neste caso, quanto maior o AVG, melhor para o rebatedor.

Home Plate é a última base do campo, que é a base onde fica o receptor.

Double play é quando dois jogadores são eliminados de uma só vez.

Triple play é quando três jogadores são eliminados de uma só vez.

Home Run é quando uma bola é rebatida para fora do campo externo, onde o rebatedor pode avançar todas as bases sem risco de ser eliminado. Na maioria das vezes, a bola é rebatida para a arquibancada, mas algumas vezes, a bola chega a sair do estádio. Caso tenha um corredor em base, este também poderá correr até a Home Plate, contabilizando outra corrida.

Grand Slam é um Homem Run de quatro corridas. É a jogada mais valiosa do beisebol, pois é quando um rebatedor rebate um Home Run e todas as bases estão ocupadas por corredores, ou seja, três corredores em base vão até a Home Plate contabilizando três corridas, juntamente com quem rebateu a bola, conatbilizando mais uma corrida, fazendo um total de quatro corridas.

Corrida impulsionada é quando um rebatedor rebate um bola fazendo com que um companheiro já em base chegue até o Home Plate e anote uma corrida.

Runs Batted In ou Corridas Impulsionadas (RBI): É o número de corridas impulsionadas por casa jogador.

Walk é quando um arremessador manda quatro bolas fora da zona de strike, e assim, o rebatedor vai até a primeira base. Muitas vezes, isso é usado estrategicamente com o intuito de evitar os melhores rebatedores.

Total Bases: Número de bases alcançadas pelos rebatedores através de suas rebatidas, ou seja, walk não conta para esse quesito.

Bola longa de duas bases bases é quando um rebatedor rebate uma bola que quica e sai do campo externo, neste caso não é caracterizado um Home Run, mas o rebatedor poderá avançar até a segunda base. Caso haja um corredor em base, este também avança duas bases.

Hit by pitch: Também chamada de “Dead ball”, é quando um pitcher arremessa a bola e esta atinge o corpo do rebatedor sem dar a chance de reação a ele. Quando isso acontece, o rebatedor é mandado para a primeira base.

Dead ball: Também chamada de “Hit by pitch”, é quando um pitcher arremessa a bola e esta atinge o corpo do rebatedor sem dar a chance de reação a ele. Quando isso acontece, o rebatedor é mandado para a primeira base.

Substituições: No beisebol, não tem limite de substituições, mas um jogador que foi substituído não pode entrar de novo na partida.

Double Switch é um tipo específico de substituição. Quando a rotação da lineup está próxima de chegar no arremessador, ele é substituído para que outro jogador rebata no lugar dele (pois normalmente arremessadores são rebatedores ruin), e depois que o outro jogador rebate, ele também é substituído por outro arremessador, para que este possa arremessar.

Swing é o movimento que um rebatedor faz para rebater uma bola. Quando a bola passa direto, temos um “Swing no vazio”.

Lineup é a rotação dos nove rebatedores que estão no jogo. Normalmente, as equipes usam os oito defensores e um rebatedor designado (Designated Hitter) no lugar do arremessador. Caso a equipe opte por não usar um rebatedor designado, o arremessador também rebate.

Rebatedor Designado (Designated Hitter): É um jogador que não tem função defensiva, apenas a função de rebater. Este sempre rebate no lugar do arremessador, pois normalmente arremessadores não são bons rebatedores. O melhor rebatedor designado de todos os tempos é o dominicano David Ortiz (Big Papi), que defendeu as cores do Minnesota Twins e do Boston Red Sox, onde foi campeão da World Series três vezes e três vezes eleito MVP. Vale lembrar que algumas ligas não permitem um Rebatedor Designado, e neste caso, o arremessador também rebate.

Cleanup Hitter é o quarto rebatedor da rotação da lineup. O quarto rebatedor costuma ser o que tem o melhor índice de rebatidas do time. São chamados de “Cleanup Hitter” porque normalmente são os rebatedores que “limpam as bases”, ou seja, impulsionam corridas com rebatidas longas, e muitas vezes, com Home Runs.

Pinch Hitter: É um rebatedor substituto, é um jogador que começa no duguout e entra no decorrer da partida, muitas vezes, unicamente com o intuito de conseguir uma boa rebatida.

Pinch Runner: É um jogador que entra na partida substituindo um companheiro que está em base. Em geral, isso ocorre no final de jogos equilibrados e o técnico tira o jogador em base (que pode ser pesado/lento) e coloca o pinch runner (mais rápido), em busca de anotar a corrida.

Switch Hitter: É um jogador que rebate como ambidestro, ou seja, dos dois lados do home plate. Faz isso para ter maior facilidade em conseguir rebatidas. Quando o pitcher adversário é canhoto, o switch hitter rebate como destro e vice-versa.

Batter’s Box: É o local onde o rebatedor fica na hora de rebater. São duas demarcações retangulares dos lados direito e esquerdo, para que rebatedores destros e canhotos possam rebater da melhor forma possível.

Contagem completa é quando temos na contagem três balls e dois strikes, representado por 3-2.

Out of play é quando um defensor tenta jogar a bola para um defensor companheiro e acaba errando o lançamento e joga a bola para fora do campo, fazendo assim o corredor ou rebatedor avançar duas bases.
Ex: Um rebatedor rebate a bola para o campo interno e o interbases pega a bola e joga em direção ao primeira base para eliminar o rebatedor antes dele chegar à primeira, mas o interbases acaba errando o lançamento e manda a bola para a arquibancada, então, neste caso, o rebatedor, ao invés de avançar à primeira base, ele vai para a segunda. Caso já tenha um corredor na primeira ou segunda base, este também avança duas bases.

Rebatedor que atinge o catcher: Caso isso aconteça, a decisão fica com o árbitro, se este interpretar que o catcher que atrapalhou o rebatedor, ele manda o rebatedor avançar à primeira base. Caso ele inetrprete como falha do rebatedor, este é eliminado.

Eliminação de rebatedor que rebate uma bola que vai à distância de Home Run: Caso um rebatedor rebata uma bola que vai até a distância de Home Run, e um defensor consegue segurar a bola sem sair do campo, o rebatedor é eliminado.
Ex: Uma rebatida que vai até o limite do campo externo direito, na arquibancada, mas um defensor percebendo que a bola não vai tão longe assim na arquibancada, estende a mão e segura a bola no ar antes desta cair na arquibancada. Neste caso, o rebatedor é eliminado.

Wild Pitche é quando um arremesso é considerado ruim e o catcher não consegue segurar a bola, e assim, o rebatedor ou um corredor avança uma base.

Passed ball é um arremesso que o catcher deixa a bola passar por ele. É diferente do Wild pitche, pois o Wild pitche é uma falha do pitcher, e a passed ball é uma falha do catcher.

Shutout é quando um pitcher completa um jogo inteiro sem ceder nenhuma corrida.

No Hitter: Se o pitcher arremessa e não cede nenhuma rebatida (hit) durante o jogo completo, diz-se que ele conseguiu um No Hitter.

Jogo perfeito é quando um arremessador não permite que nenhum rebatedor chegue em base, ou seja, 27 enfrentamentos e 27 eliminações. Isso só foi concretizado 23 vezes na história da MLB, sendo a última em 12 de agosto de 2012, por Félix Fernandéz do Seattle Mariners.

Save: Um pitcher é creditado com uma Oportunidade de Save quando entra no jogo numa das situações:
– Seu time está na liderança do placar por no máximo 3 corridas de diferença;
– Seu time está à frente no placar, porém o adversário tem potenciais chances de empatar o jogo, com jogadores em base ou eliminações que sejam iguais ao número de corridas que está atrás no placar. Por exemplo, se um jogo estiver no início da 8ª entrada e a liderança for de 4 corridas, haverá uma Oportunidade de Save, pois o time que está perdendo possui mais de 4 eliminações antes que o jogo termine.
Se o pitcher mantiver a oportunidade de save até o final, ele será creditado com um Save.

Force-out é qualquer tentativa da defesa de forçar uma eliminação, seja inibindo ao erro ou com um arremesso fraco.

Moving ball é uma bola com movimentos irregulares.

Pick-off é quando o arremessador joga a bola em direção a uma das bases com o intuito de eliminar um corredor.

Sweep ou Varrida: É quando um time vence todos os jogos de uma série, dizemos que ele consegue a varrida. Por exemplo, Boston Red Sox e New York Yankees se enfrentam numa série de três jogos, e o Boston Red Sox vence as três partidas, dizemos então que o Boston Red Sox varreu o New York Yankees.

Walk-Off é quando o time da casa (que rebate na parte baixa da entrada) toma a liderança no placar na 9ª entrada ou em uma entrada extra, vencendo assim o jogo, já o adversário não teria mais chances de anotar corridas.

Back-to-back é quando dois rebatedores conseguem Home runs seguidamente.

Balk é o windup irregular do arremessador que é usado para fazer um corredor tentar avançar uma base, e assim, jogar a bola para eliminá-lo, ou então, quando o arremessador de fato comete um erro, como tropeçar e não arremessar a bola. Neste caso, o corredor poderá avançar uma base.

Slide step é uma jogada com o intuito de eliminar corredores, assim como o Pick-off.

Umpires são os árbitros do jogo. Um jogo oficial de beisebol possui dois ou mais umpires.

Catchball é um tipo de aquecimento que consiste em dois jogadores arremessando a bola um para o outro.

Pedido de Tempo: A quantidade de pedidos de tempo pela comissão técnica ou por algum jogador de defesa é variável de liga pra liga. Por exemplo, na MLB, é permitido o pedido de tempo uma vez por entrada pelo que time que está defendendo.

Tríplice coroa é quando um jogador lidera nos quesitos “rebatidas válidas”, “corridas impulsionadas” e “Home Runs”.


2. TIPOS DE ARREMESSO

Ao longo dos anos, os pitchers desenvolveram diferentes tipos de arremessos, afinal, se dependessem sempre do mesmo, se tornariam previsíveis e seriam presas fáceis para os rebatedores.
Como os movimentos que um arremessador pode fazer no montinho são limitados, a técnica encontrada para gerar diferentes efeitos foi desenvolver diferentes pegadas (grips) na bolinha.
Hoje, nos deparamos com um leque considerável de tipos de arremessos no beisebol. É comum eles serem divididos em três categorias:

– Bolas rápidas (fastball)
– Offspeed
– Bolas de efeito (breaking ball)

Dentro destes três grupos, existem subdivisões em arremessos que são nomeados de acordo com a trajetória da bola. A seguir, explicaremos melhor quais as características de cada um deles.
É importante ressaltar que essa classificação serve apenas para se ter um noção de quais tipos de arremesso um pitcher possui em seu repertório. Dois jogadores jamais terão um arremesso idêntico, ou seja, mesmo que dois arremessadores lancem sliders, uma será diferente da outra, pois cada um tem uma rotação de braço e uma pegada específica na bola.

2.1 Bolas rápidas (Fastballs): como o próprio nome diz, são os arremessos de maior velocidade.

–Bola rápida de 4 costuras (4-seam fastball): é o arremesso mais simples que um pitcher pode lançar. O nome se refere ao posicionamento dos dedos, que ficam sobre quatro partes de costura que uma bola de beisebol possui. Basicamente, o arremessador utiliza toda a potência que consegue gerar com a rotação de seu ombro, fazendo com que a bola saia de sua mão com spin traseiro, que serve para quebrar a resistência do ar e ajuda a atingir maiores velocidades. Não possui muito efeito, seguindo quase uma trajetória reta. Por esse motivo, é o arremesso O principal foco é unir velocidade e localização (deixar uma bola rápida no meio da zona de strike é pedir para sofrer uma rebatida!).

4-Seam-Fastball

–Bola rápida de 2 costuras (2-seam fastball): para uma variação na fastball, o arremessador coloca os dedos em apenas duas costuras. Isso faz com que a bola penda mais para o lado da mão de arremesso (direito para destros, esquerdo para canhotos), uma vez que a força não é colocada em seu centro, e perca um pouco de altura. Devido ao movimento causado, a velocidade de uma 2-seam é um pouco menor que de uma 4-seam.

2-Seam-Fastball

–Cutter ou Cut: outra variação da bola rápida, o arremessador posiciona os dedos de forma similar à 4-seam fastball, com o indicador e o médio deslocados para o “lado de fora” da bola (direita para destros, esquerda para canhotos). Ao realizar o arremesso, o pitcher coloca mais pressão nos dedos, rotacionando o polegar. Se bem executado, causa um spin lateral, que faz a bola “correr” para o lado oposto da mão (esquerda para destros, direita para canhotos) ao chegar perto do home plate. Assim como no caso da 2-seam fastball, o movimento faz com que o arremesso tenha velocidade menor.

Cutter

–Sinker: o pitcher coloca os dedos da mesma forma que num arremesso de 2-seam, a diferença está na pressão e movimento. Enquanto numa bola rápida de duas costuras a pegada é leve e o movimento natural, no sinker o pitcher coloca mais pressão nos dedos e dobra o pulso para baixo no momento do lançamento. Isso gera muito spin frontal, fazendo com que a trajetória da bola comece semelhante a uma 4-seam e perca altura repentinamente no momento em que se aproxima do home plate. Um sinker bem executado é muito efetivo, pois sua rotação para baixo dificulta que o rebatedor consiga um contato sólido com o bastão, induzindo muitas bolas rasteiras.

Sinker

–Splitter: o arremessador encaixa a bola entre os dedos indicador e médio, cada um ao lado de uma costura (daí o nome split, do verbo separar em inglês). Ao realizar o arremesso, a bola sai como uma fastball, porém o spin frontal faz com que perca altura de forma agressiva antes de chegar ao home plate, muitas vezes chegando a bater no chão. É considerado um arremesso de difícil controle, pois se lançado com muito efeito na terra pode se tornar um wild pitch. Utilizado por muitos pitchers asiáticos como forma de conseguir induzir o rebatedor adversário a um swing errado (swinging strike).

Splitter

–Fork: assim como a splitter, o arremessador encaixa a bola entre os dedos indicador e médio, cada um ao lado de uma costura. Ao realizar o arremesso, a bola sai como uma fastball, porém o spin diagonal faz a bola sofrer um efeito que confunde os rebatedores.

Fork

2.2 Offspeed: são arremessos que buscam enganar o rebatedor com a perda de velocidade ao final de sua trajetória

–Changeup: o arremessador envolve a bola com três dedos (indicador, médio e anelar) e a apoia sobre o polegar e o mínimo. Ao arremessar, a intenção é de que a changeup pareça uma bola rápida ao sair de sua mão, porém com uma velocidade menor. Como o olho humano tem dificuldade em diferenciar velocidades em objetos que estão a certa distância, a tendência é que o rebatedor se adiante no swing. Ainda, uma changeup perde um pouco de altura ao se aproximar do home plate. Geralmente utilizada por pitchers que tem como principal bola rápida a 4-seam.
Para ser efetivo, o ideal é que o arremessador consiga uma diferença considerável entre a velocidade de sua changeup e fastball. Por exemplo, uma 4-seam de 90 mph e a changeup de 78-80 mph.

Changeup

–Circle change: variação da changeup em que o pitcher, ao invés de apoiar o polegar junto ao dedo mínimo, o posiciona junto ao indicador, formando um círculo na lateral da bola. Devido a tal distribuição, a bola, além de sair com menor velocidade, faz um movimento lateral e descendente para o lado da mão de arremesso (direita para destros, esquerda para canhotos) antes de chegar ao home plate. Justamente por essa trajetória, a circle change costuma ser utilizado por pitcher que tem como a principal bola rápida a 2-seam. Novamente, o ideal é que tenha uma diferença de pelo menos 8-10 mph para ser mais efetiva.

Circle-Change

2.3 Bolas de efeito (breaking ball): são arremessos com maior rotação, em que são empregados diferentes efeitos que fazem a bola “quebrar” seu movimento e alterar sua trajetória antes de chegar ao home plate.

–Curveball ou Bola de Curva: o pitcher coloca os dedos indicador e médio sobre a mesma costura, enquanto apoia a bola sobre os dedos restantes. No momento do lançamento, rotaciona o pulso e o antebraço. Ao fazer tal movimento, o arremesso sai com menor velocidade, perde altura de forma gradual em sua trajetória até o home plate e, em proporções menores, tem movimento lateral. A ideia de arremessar uma curveball é fazer com que ela pareça estar destinada a ser um strike, porém no momento em que o rebatedor vai para o swing, ela perde altura, induzindo a um erro (swinging strike) ou contato fraco com o bastão.

Curveball

–12-6 Curve: variação da curveball, em geral a diferença está no grip, em que o pitcher apoia somente um dos dedos indicador ou médio sobre a costura de cima, deixando o outro reto. É um arremesso que perde altura de forma acentuada, caindo quando chega próximo ao home plate, e não tem grande movimento lateral. O 12-6 se refere às posições do relógio (12 no ponto mais alto, 6 no baixo), simbolizando a queda brusca que a bola realiza. Utilizada para “quebrar” o ritmo do rebatedor, variando a altura para induzi-lo a um swing.

12-6-Curve

–Slider: o grip é semelhante ao de uma two-seam fastball, com a diferença de que no momento do arremesso se coloca mais pressão na bola e o polegar “rola” para cima. Com isso, uma slider ganha muita rotação lateral, fazendo com que o arremesso corra em direção da mão oposta do pitcher (esquerda para destros, direita para canhotos), semelhante à cutter, com menor velocidade. É um arremesso muito utilizado por destros contra destros e canhotos contra canhotos, pois a bola começa na zona de strike e desliza para fora dela, se distanciando do corpo do rebatedor, induzindo a swinging strikes e contatos fracos ou atrasados. Quando utilizado contra rebatedores do lado oposto, a ideia da slider é a contrária: começar fora da zona de strike e correr para dentro dela, buscando deixar o rebatedor sem ação.

Slider

–Slurve: como o nome sugere, é um arremesso híbrido entre a slider e a curveball. O grip costuma ser semelhante ao de uma slider, enquanto o movimento ao lançar se assemelha ao da bola de curva, girando o antebraço. Dessa forma, sua trajetória é diagonal, correndo lateralmente como a slider e perdendo altura como a curveball.

Slurve

–Knuckleball: o arremesso mais imprevisível do beisebol, uma knuckleball é difícil de ser controlada e por isso é pouco utilizada por pitchers. O arremessador “finca” os dedos indicador e médio na parte de cima da bola, enquanto a apoia sobre o polegar e o anelar. No movimento de lançamento, o jogador solta primeiro a bola pelas laterais e depois a “empurra” com os dedos indicador e médio. Tal movimento faz com que a bola não tenha muito spin e realize diversas mudanças de direção na trajetória até o home plate. É comum que o próprio arremessador e seu catcher não saibam qual o destino do arremesso no momento em que ele é realizado.

knuckleball

–Eephus: raramente visto, um Eephus é uma bola lançada para o alto pelo pitcher, que ganha muita altitude e, ao atingir o topo de sua parábola, cai drasticamente, buscando cruzar o home plate dentro da zona de strike. É um arremesso bastante lento se comparado aos demais e utilizado como elemento surpresa para confundir os adversários, já que estes dificilmente estão esperando este tipo de bola para ser rebatida.

Eephus


3. REBATIDAS

SIMPLES: o rebatedor vai até a 1ª base com sua rebatida.
DUPLA: o rebatedor vai até a 2ª base com sua rebatida.
TRIPLA: o rebatedor vai até a 3ª base com sua rebatida.
INSIDE THE PARK HOME RUN: o rebatedor vai até a 4ª base (home plate) com sua rebatida (muito rara de acontecer).
HOME RUN
HOME RUN DUPLO é um Home Run de duas corridas (quando se tem um corredor em base).
HOME RUN TRIPLO é um Home Run de três corridas (quando se tem dois corredores em base).
GRAND SLAM é um Home Run de quatro corridas (quando se tem três corredores em base).


4. ROUBO DE BASES

O corredor pode tentar roubar a próxima base enquanto seu companheiro de time enfrenta o arremessador adversário. Para que o roubo ocorra, no momento em que o pitcher realiza o movimento do arremesso, o “ladrão” deve correr até a base seguinte, chegando nela à salvo. A defesa, por sua vez, percebendo a tentativa de roubo, deve tocar o corredor com a bola (tag out), antes que ele chegue na base. Em geral, a eliminação depende de um lançamento forte e preciso do catcher para o jogador da defesa que esteja mais próximo da base que o corredor está tentando roubar.
ERRO: Caso o time adversário cometa um erro defensivo, os corredores podem tentar correr e chegar a salvo nas próximas bases.


5. PLACAR

placar

VERDE: ficam os nomes das equipes. Neste caso, são as iniciais de Arizona Diamondbacks e New York Mets.
AMARELO: abaixo dos números 1 até 9, fica a quantidade de corridas anotadas por cada equipe nas entradas. Neste caso, New York anotou quatro corridas na 4ª entrada, uma na 5ª e mais quatro na 8ª. Repare que há um “x” na nona entrada, pois o New York Mets já havia ganho a partida, já que Arizona não teria mais passagens pelo ataque para tentar reverter o placar.
AZUL: abaixo da letra R, fica o número total de corridas anotadas por cada time durante o jogo. Neste caso, Arizona anotou 6 corridas, enquanto New York anotou 9.
PRETO: abaixo da letra H, fica o número total de hits (rebatidas) conseguidos por cada time. Neste caso, Arizona conseguiu 9 hits, enquanto New York conseguiu 12.
ROXO: abaixo da letra E, fica o número total de erros cometidos por cada time. Neste caso, Arizona cometeu um erro e New York nenhum.

No beisebol, o time da casa aparece na segunda posição no placar, neste caso, o time da casa é o New York Mets.


6. CURIOSIDADES

— É considerado como o melhor jogador de beisebol de todos os tempos o norte-americando Babe Ruth (Bambino) que jogou no Boston Red Sox e New York Yankees.
— O jogador com mais Home Runs é Barry Bonds, que atingiu a incrível marca de 762 Home Runs em sua carreira pelo Pittsburgh Pirates e San Francisco Giants.
— O primeiro brasileiro a jogar na MLB foi o catcher Yan Gomes, que começou sua carreira profissional em 2012 pelo Toronto Blue Jays. Hoje, defende as cores do Cleveland Indians.
— O primeiro brasileiro campeão da World Series foi o Paulo Orlando, campeão pelo Kansas City Royals na temporada 2015.
— A MLB possui três brasileiros: O catcher Yan Gomes do Cleveland Indians, o campista central Paulo Orlando do Kansas City Royals, e o arremessador André Rienzo do Miami Marlins.
— A maior rivalidade do beisebol é Boston Red Sox x New York Yankees
— O Brasil possui a “CBBS” Confederação Brasileira de Beisebol e Softbol.

CAMPEÕES DA WORLD BASEBALL CLASSIC

2006 – Japão
2009 – Japão
2013 – República Dominicana

A World Baseball Classic começou em 2006, e foi a primeira competição entre países a contar com jogadores profissionais das grandes ligas (americana e japonesa). Antes, o torneio era disputado apenas por jogadores entre 18 e 23 anos.
A próxima World Baseball Classic será em 2017.

CAMPEÕES OLÍMPICOS DE BEISEBOL

1992 – Cuba
1996 – Cuba
2000 – Estados Unidos
2004 – Cuba
2008 – Coreia do Sul

RANKING DAS VINTE MELHORES SELEÇÕES DE BEISEBOL

1º – Japão
2º – Estados Unidos
3º – Coreia do Sul
4º – Taipé Chinesa
5º – Cuba
6º – Canadá
7º – Venezuela
8º – México
9º – Itália
10º – Holanda
11º – Porto Rico
12º – República Dominicana
13º – Austrália
14º – República Tcheca
15º – Panamá
16º – Brasil
17º – Colômbia
18º – Nicarágua
19º – China
20º – Alemanha

Fonte: http://www.wbsc.org/rankings/


MLB

A MLB (Major League Baseball) é disputada pelos times da Liga Americana (Conferência Leste) e da Liga Nacional (Conferência Oeste). Classificam-se os oito melhores de cada conferência e esses disputam entre si uma melhor de sete para ir avançando. O campeão da Conferência Leste enfrenta o campeão da Conferência Oeste na World Series.

CAMPEÕES DA WORLD SERIES:

1903 – Boston Americans
1904 – Não houve
1905 – New York Giants
1906 – Chicago White Sox
1907 – Chicago Cubs
1908 – Chicago Cubs
1909 – Pittsburgh Pirates
1910 – Philadelphia Athletics
1911 – Philadelphia Athletics
1912 – Boston Red Sox
1913 – Philadelphia Athletics
1914 – Boston Brave
1915 – Boston Red Sox
1916 – Boston Red Sox
1917 – Chicago White Sox
1918 – Boston Red Sox
1919 – Cincinnati Reds
1920 – Cleveland Indians
1921 – New York Giants
1922 – New York Giants
1923 – New York Yankees
1924 – Washington Senators
1925 – Pittsburgh Pirates
1926 – St. Louis Cardinals
1927 – New York Yankees
1928 – New York Yankees
1929 – Philadelphia Athletics
1930 – Philadelphia Athetics
1931 – St. Louis Cardinals
1932 – New York Yankees
1933 – New York Giants
1934 – St. Louis Cardinals
1935 – Detroit Tigers
1936 – New York Yankees
1937 – New York Yankees
1938 – New York Yankees
1939 – New York Yankees
1940 – Cincinnati Reds
1941 – New York Yankees
1942 – St. Louis Cardinals
1943 – New York Yankees
1944 – St. Louis Cardinals
1945 – Detroit Tigers
1946 – St. Louis Cardinals
1947 – New York Yankees
1948 – Cleveland Indians
1949 – New York Yankees
1950 – New York Yankees
1951 – New York Yankees
1952 – New York Yankees
1953 – New York Yankees
1954 – New York Giants
1955 – Brooklyn Dodgers
1956 – New York Yankees
1957 – Milwaukee Braves
1958 – New York Yankees
1959 – Los Angeles Dodgers
1960 – Pittsburgh Pirates
1961 – New York Yankees
1962 – New York Yankees
1963 – Los Angeles Dodgers
1964 – St. Louis Cardinals
1965 – Los Angeles Dodgers
1966 – Baltimore Orioles
1967 – St. Louis Cardinals
1968 – Detroit Tigers
1969 – New York Mets
1970 – Baltimore Orioles
1971 – Pittsburgh Pirates
1972 – Oakland Athletics
1973 – Oakland Athletics
1974 – Oakland Athletics
1975 – Cincinnati Reds
1976 – Cincinnati Reds
1977 – New York Yankees
1978 – New York Yankees
1979 – Pittsburgh Pirates
1980 – Philadelphia Phillies
1981 – Los Angeles Dodgers
1982 – St. Louis Cardinals
1983 – Baltimore Orioles
1984 – Detroit Tigers
1985 – Kansas City Royals
1986 – New York Mets
1987 – Minnesota Twins
1988 – Los Angeles Dodgers
1989 – Oakland Athletics
1990 – Cincinnati Reds
1991 – Minnesota Twins
1992 – Toronto Blue Jays
1993 – Toronto Blue Jays
1994 – Não houve devido à greve dos jogadores
1995 – Atlanta Braves
1996 – New York Yankees
1997 – Florida Marlins
1998 – New York Yankees
1999 – New York Yankees
2000 – New York Yankees
2001 – Arizona Diamondbacks
2002 – Anaheim Angels
2003 – Florida Marlins
2004 – Boston Red Sox
2005 – Chicago White Sox
2006 – St. Louis Cardinals
2007 – Boston Red Sox
2008 – Philadelphia Phillies
2009 – New York Yankees
2010 – San Francisco Giants
2011 – St. Louis Cardinals
2012 – San Francisco Giants
2013 – Boston Red Sox
2014 – San Francisco Giants
2015 – Kansas City Royals
2016 – Chicago Cubs

TÍTULOS POR CLUBES (NOMES USADOS HOJE EM DIA):

New York Yankees (27 títulos)
St. Louis Cardinals (11 títulos)
Oakland Athletics (9 títulos)
Boston Red Sox (8 títulos)
San Francisco Giants (8 títulos)
Los Angeles Dodgers (6 títulos)
Cincinnati Reds (5 títulos)
Pittsburgh Pirates (5 títulos)
Detroit Tigers (4 títulos)
Atlanta Braves (3 títulos)
Baltimore Orioles (3  títulos)
Minnesota Twins (3 títulos)
Chicago White Sox (3 títulos)
Chicago Cubs (3 títulos)
Philadelphia Phillies (2 títulos)
Cleveland Indians (2 títulos)
New York Mets (2 títulos)
Kansas City Royals (2 títulos)
Miami Marlins (2  títulos)
Toronto Blue Jays (2 títulos)
Los Angeles Angels (1 título)
Arizona Diamondbacks (1 título)

JOGADORES COM MAIS DE 500 HOME RUNS:

Barry Bonds – 762
Hank Aaron – 755
Babe Ruth – 714
Alex Rodriguez – 694
Willie Mays – 660
Ken Griffey, Jr. – 630
Jim Thome – 612
Sammy Sosa – 609
Frank Robinson – 586
Mark McGwire – 583
Harmon Killebrew – 573
Rafael Palmeiro – 569
Albert Pujols  – 566
Reggie Jackson – 563
Manny Ramirez – 555
Mike Schmidt – 548
David Ortiz – 537
Mickey Mantle – 536
Jimmie Foxx – 534
Willie McCovey – 521
Frank Thomas – 521
Ted Williams – 521
Ernie Banks – 512
Eddie Mathews – 512
Mel Ott – 511
Gary Sheffield – 509
Eddie Murray – 504

Destes, apenas Albert Pujols (jogador do Los Angeles Angels) e Alex Rodriguez (jogador do New York Yankees) continam em atividade.

Fonte: Blog do Beisebol

19 Comentários

  1. Hijikata-san

    Este guia estará em constante atualização, pois sempre que eu lembrar de algo, ou buscar alguma curiosidade, eu adicionarei aqui. Lembrando que todos podem opinar, apontar erros, postar algo sobre uma regra que não esteja aqui, etc. xD

    Responder
  2. junior

    Assisto ace of diamond e la em todos os jogos acontece do técnico ou o catcher pedirem tempo. Quantos pedidos de tempo pedem ser feitos por jogo?

    Responder
  3. Arthur

    Mandou bem Hiji! Deve estar mais explicado que na wikipédia ^^
    Infelizmente eu não tenho TV paga para ver os jogos, daí só vejo alguns vídeos e assisto animes sobre o esporte. Tenho vontade de jogar…

    Só uma observação, quando você fala de Lineup, ficou faltando um “não” lá.
    “Caso a equipe opte por (não) usar um rebatedor designado, o arremessador também rebate.”

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *